Não há produtos no carrinho.
livio abramo

O expressionismo dramático e delicado de Livio Abramo

Autodidata, sensível, lírico e dono de um talento sem igual, Livio Abramo foi um dos maiores representantes da gravura nacional do Brasil.

Explorando o drama em suas figuras humanas, ele dominou as técnicas em suas obras de modo refinado e impactante. Com uma estética predominantemente expressionista, abordou temas sombrios em suas peças com uma poesia singular. 

Para conhecer a biografia, conferir as principais obras de Livio Abramo e muito mais sobre esse ícone, basta seguir lendo!

Biografia de Livio Abramo: o amor pelo expressionismo e pelos temas sociais 

Nascido em 1903, no interior de São Paulo, mais especificamente em Araraquara, em uma família que valoriza e enaltece a arte e o conduz a ela, Livio Abram se interessa pelo desenho ainda criança. 

Se muda para a terra da garoa com seis anos. Lá estuda em uma das escolas mais tradicionais da capital paulistana, o colégio Dante Alighieri. Assim, se destaca na disciplina de desenho. Logo, se encanta pela arte, traçando figuras de cowboys e de índios tão bem que impressionam seu professor. 

No início da década de 1920, já adulto, percebe que o seu talento guiará sua carreira. Dessa forma, trabalha como ilustrador para pequenos jornais. Nessa mesma época, entra em contato com as obras do carioca Oswaldo Goeldi. 

Em 1929, perambulando pelas ruas e avenidas de São Paulo, em busca de emprego, entra em uma sala sem saber o que esperar. Lá, acontece um evento que iria orientar todo seu trabalho: uma exposição de gravuras expressionistas alemãs. 

Os gritos de dor, a paixão e a intensidade das peças despertam a atenção do paulista.  Inspirado com tudo aquilo, chega em casa e produz sua primeira xilogravura, utilizando como ferramenta, nada mais do que uma gilete. 

No começo dos anos 1930, se interessa pela veia e estética antropofágica da aclamada Tarsila do Amaral. Assim, suas peças, influenciadas por essa narrativa, trazem à tona formas largas, arredondadas e personagens com traços deformados. 

Os temas sociais ganham destaque na vida do artista que, em busca de igualdade, se filia ao Partido Comunista. 

Avesso a regras, ele é expulso do partido duas vezes. Nesse momento, deixa a arte em segundo plano e se dedica ao sindicalismo. 

Em 1935, o amor pela arte fala mais alto. Sendo assim, volta a trabalhar em suas obras em gravura, inserindo a temática social em seu trabalho. 

Para destacar a condição do homem e retratar suas angústias, cria peças carregadas de drama. Suas peças expressionistas combinam poesia com dor e apresentam elevada técnica. 

O drama, os conflitos e as angústias do homem, assim expressas pelas obras  de Livio Abramo, dialogam com o sensível artista, o qual enxerga, no expressionismo não apenas um estilo, mas um sentimento. 

Nos anos 1940, desenvolve uma série de ilustrações para livros. O trabalho impecável resulta ao artista um prêmio. Assim, ele realiza a sua primeira viagem para o exterior. 

Na Europa, mais especificamente em Paris, frequenta um famoso ateliê. Lá, tem aulas com o artista plástico inglês Stanley William Hayter e, com ele, aperfeiçoa seus estudos em gravura em metal

Biografia de Livio Abramo: o amadurecimento e o reconhecimento 

Volta  para o Brasil em 1953. Em seguida, recebe, da 2ª Bienal Internacional de São Paulo, o prêmio de melhor gravador do Brasil. 

Nesta fase, cria um conjunto de obras que apresentam diversidades de tons e de texturas que conversam, se integram e articulam figuras e planos. 

Com uma bagagem cultural ímpar e um repertório de conhecimento imenso, decide transmitir seu conhecimento. Logo, começa a lecionar a xilogravura, dando aulas para nomes como Antonio Henrique Amaral e Maria Bonomi. Junto a última,  inaugura um estúdio de gravura, em 1960.

Dois anos depois, recebe um convite do governo para participar de uma missão cultural no Paraguai. Sendo assim, se muda para lá e se torna responsável pelo Setor de Artes Plásticas Visuais, o dirigindo até 1992. 

Nesse período, o seu trabalho tem como guia a delicadeza, assim expressa por meio de obras que recriam a paisagem do país e que trazem linhas e pontilhados com singeleza e lirismo únicos. 

A morte de Livio Abramo acontece após o artista completar 88 anos. 

Com uma produção intensa que transita entre a figuração e a abstração, as obras de Livio Abramo, sua abordagem, técnica e estética são referências atemporais. Tanto que seu nome é sempre citado em livros e publicações, assim como seu trabalho é enaltecido pelos principais gravadores do Brasil e do mundo. 

Principais gravuras de Livio Abramo 

Mulher e Bananal (1933)

livio abramo gravuras

Crédito: Enciclopédia Itaú Cultural 

Meninas de Fábrica (1935)

biografia de livio abramo

 

Crédito: Enciclopédia Itaú Cultural 

Guerra-Medo (1937)  obras de livio abramo

Crédito: Enciclopédia Itaú Cultural 

Festa (1958)

festa livio abramo

Crédito: Arts and Culture

Cavalos (1979)

Crédito: Laart 

Gostou das gravuras de Livio Abramo? Qual delas mais chamou sua atenção? Conta pra gente aqui nos comentários abaixo!

As peças desse mestre da gravura podem ser encontradas nos principais museus, assim como em galerias como a Laart

A Laart aplaude e aclama o trabalho de Livio Abramo. Não é à toa que traz em seu acervo obras exclusivas e originais do artista paulista. 

Todas elas contam com certificado de autenticidade e são entregues com toda segurança no conforto de seu lar. 

Ficou curioso? Então, conheça as gravuras de Livio Abramo presentes no acervo!

 

Crédito da foto de capa: Heloisa Tolipan

Compartilhar com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *