antonio henrique amaral

Biografia e obras de Antonio Henrique Amaral

Intrépido e contestador, Antonio Henrique Amaral foi um artista que sempre lutou para expressar seus ideais e fez isso, divinamente, por meio de sua arte. Com paixão e força, ele transpôs o protesto para suas obras.

Conhecido por caracterizar a cultura nacional, esse célebre artista produziu peças bastante representativas que se transformaram em símbolos de seu estilo. As bananas por exemplo, foram uma constante em suas pinturas, e simbolizaram, com excelência, suas críticas contundentes.

Gravurista, desenhista e pintor, Antonio Henrique Amaral marcou a história da arte brasileira. Quer saber mais sobre ele e se inspirar com sua trajetória? Então, continue lendo e conheça mais sobre Antonio Henrique Amaral, sua biografia e obras. 

Antonio Henrique Amaral: biografia

Nascido em São Paulo, no ano de 1935, Antonio Henrique Amaral se forma em direito, mas o amor pela arte fala mais alto. Assim, em 1952, sua jornada artística se inicia com seu ingresso na Escola do Museu de Arte de São Paulo (MASP). Seu começo não poderia ser melhor, já que ele tem como professores verdadeiros mestres, como Roberto Sambonet e Lívio Abramo, com quem aprende a arte da gravura.

Em seguida, em 1958, viaja para o exterior e conhece o brilhante Pablo Picasso. Assim, aliando talento com conhecimento, parte para Nova York, no ano seguinte, onde aprofunda seus estudos sobre gravura.

Na década seguinte, já de volta para o Brasil, a sua trajetória artística continua e ele conhece outros grandes nomes da arte nacional, como Djanira, Candido Portinari e Ivan Serpa. Logo, desponta no circuito artístico nacional.

Influenciado pelo surrealismo, o artista explora a temática social e a cultura de massa. A pop art é outro estilo que o inspira bastante. 

Gosta de biografias e quer saber que artista é uma referência da pop art? Se está pensando que é Andy Warhol, se enganou!  Clique aqui e descubra quem é

A alma política e social do artista 

Bastante preocupado com questões sociais e valorizando a arte e sua liberdade em expressá-la, Antonio Henrique Amaral começa a transpor para seus trabalhos os acontecimentos perturbadores da década de 1960 no Brasil. Assim, incorpora em suas peças símbolos relacionados à ditadura militar.

Logo, bastante sensível aos temas dos “anos de chumbo”, o artista insere em suas obras fortes críticas ao autoritarismo imposto no país. Desse modo, suas pinturas exploram esse contexto por meio de representações relacionadas aos militares e à censura, muito bem simbolizadas por bocas e pela figura do general.  Nesse período, lança “O meu e o seu”, um álbum de xilogravuras que explora, com profundidade, a questão política vigente.

Já ouviu falar em xilogravuras, mas quer entender melhor o assunto? Então, leia: “O que é xilogravura: conheça a história e artistas que marcaram a técnica”. 

Obras de Antonio Henrique Amaral

O desenho e a gravura marcaram as primeiras produções de Antônio Henrique Amaral. A série Bananas, produzida de 1968 até 1975, tornou-se seu ícone representativo. Afinal, o artista explorou essa temática ao máximo, utilizando as bananas como metáfora contra os abusos do regime militar. Se, no início, elas apareciam verdes, depois se mostraram maduras e, em seguida, totalmente despedaçadas. 

antonio henrique amaral biografia

“Brasiliana 9”. Crédito: Folha de São Paulo

A paixão e o talento guiavam o seu trabalho, mas Amaral possuía também bastante conhecimento técnico e, assim, produzia suas peças combinando intuição e estratégia. Influenciado pelo surrealismo, o artista conseguia transferir para suas obras o equilíbrio entre o automático psíquico e o rigor formal.

Extremamente conectado à política e aos temas sociais, Antonio Henrique Amaral transpunha para seu trabalho a crítica ao autoritarismo e à cultura de massa. Fazia isso, muitas vezes, de modo irreverente e sarcástico. Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, certa vez afirmou:

“Queria esculhambar com o governo militar…Meu desafio era pintar e, ao mesmo tempo, refletir sobre a tortura e as prisões numa coisa explosiva, sarcástica, de deboche”. 

Além da política, sexo e violência foram temas frequentemente abordados em seus trabalhos. O seu álbum de xilogravuras, “O Meu e o Seu”, de 1967, tornou-se uma referência emblemática de seu estilo. Por meio dessa coleção, o artista expôs, como ninguém, a arbitrariedade e o despotismo da ditadura militar. 

antonio henrique amaral obras

“O meu e o seu”. Crédito: Wikipédia 

Querendo expressar ao máximo seus sentimentos e anseios, Antonio Henrique Amaral fez uso contínuo e constante de símbolos, que exprimiam muito bem os seus desejos. Assim, com muita simbologia, propagou em suas peças sua total insatisfação com a política brasileira da época da ditadura.

Para isso, o pintor das bananas se inspirou em artistas como:

  • Anita Malfatti;
  • Tarsila do Amaral;
  • Lasar Segall, entre outros.

Versatilidade artística de Antonio Henrique Amaral

Multifacetado, Antonio Henrique Amaral também produziu obras com estilo hiper-realista, muito próximo do fantástico. Assim, muitos de seus trabalhos contaram com close-ups e cortes transversais. A sua versatilidade artística não parou por aí. Afinal, ele também teve a natureza-morta como inspiração. Logo, seus trabalhos contaram com a presença de outros elementos, como figuras de bambu, seios enormes e torsos. 

Vale destacar que sua produção também ficou marcada por rabiscos que o artista fazia ao acaso, o que mostrava a sua liberdade em criar. Assim, o legado de Antonio Henrique Amaral, que morreu em 2015, aos 79 anos, ficou caracterizado por obras que expunham essa liberdade contrastando com outras que denotavam o seu controle

antonio henrique amaral pop art

Crédito: Laart. Foto de Joca Meirelles

Impossível não se encantar com a vivacidade das obras de Antonio Henrique Amaral, não é mesmo? Impossível também é viver sem arte! Por isso existe a Laart, uma galeria de arte virtual que conta com mais de 15.000 gravuras. Criada por Luis Felipe e Manoel, dois paulistanos apaixonados por arte e que têm a gravura em seus DNAs, a Laart tem a proposta de promover artistas latino-americanos, democratizando o acesso à arte por meio de gravuras originais e assinadas de grandes nomes da arte.

Se você, assim como o Luis Felipe e o Manoel, também ama arte, a dica é: faça agora uma visita ao acervo da galeria e conheça as mais interessantes gravuras de Antonio Henrique Amaral. Para isso, basta clicar aqui. 

Crédito da foto de capa: Veja

Share with

There are no comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Start typing and press Enter to search

Shopping Cart
Não há produtos no carrinho.