Não há produtos no carrinho.
arcangelo ianelli

Arcangelo Ianelli: a biografia do artista brasileiro e as várias fases de suas obras

“O que move o artista é a insatisfação, o dia em que eu ficar plenamente satisfeito com minha obra, não tenho mais razão para pintar”, essa frase foi dita por Arcangelo Ianelli (1922 – 2009), já com 80 anos, em 2002. Iniciamos esse texto com ela, para que você comece sua leitura com uma mente aberta, sem buscar por delimitações de estilo, método ou formas

O artista trilhou um caminho eclético flutuando não apenas entre o realismo e a abstração, mas também entre variados estilos, métodos e “jeitos de fazer arte”. 

Importante nome da arte moderna no Brasil, sendo um dos nomes mais relevantes da pintura nacional, Arcangelo Ianelli, além de pintor foi escultor, ilustrador e desenhista, começando sua trajetória com o desenho de maneira autodidata, ainda na adolescência. 

Com uma alma de artista livre e flexível, passou por diferentes fases durante essas 7 décadas de história como artista atuante. 

A seguir, buscamos organizar a vida e obra de Arcangelo Ianelli, dividindo sua biografia em décadas, para tornar mais simples a explicação e o entendimento, sobre cada fase de sua produção. 

Biografia de Arcangelo Ianelli

1. 1940

Seguindo as características comuns do período dentro do movimento artístico de São Paulo, as obras de Arcangelo Ianelli, que pertencem a essa fase, são pinturas e desenhos realistas, com a representação de cenas comuns do dia a dia da sociedade, bem como retratos das paisagens. Tudo isso harmoniosamente alinhado com uma seleção de cores em tons rebaixados. 

Durante a década, Arcangelo Ianelli se dedicou ao estudo da arte, o que incluiu frequentar a Associação Paulista de Belas Artes e, em 1942, receber a orientação de Colette Pujol (1913-1999). Já em 1944, frequentou o studio de Waldemar da Costa (1904-1982). 

arcangelo ianelli principais obras

Fonte: Velho (1940) | Acervo Itaú Cultural | Reprodução fotográfica autoria desconhecida

No final da década, as obras de Arcangelo Ianelli começaram a perder o viés representativo e real, dando lugar às formas abstratas.

2. 1950

Nesta década, Ianelli se aproxima da arte construtiva, mas ainda se mantém conectado à arte figurativa.

Tamém na década de 1950, se junta ao Grupo Guanabara, que tem como integrantes artistas como Manabu Mabe, Yoshiya Takaoka, Jorge Mori, entre outros. 

Após a primeira metade da década a biografia de Arcangelo Ianelli começa a incluir a simplificação formal. 

Com uma paleta de cores reduzida, o artista se concentra no contorno e na linearidade de suas formas. Não há sombreado e as formas são planas. 

arcangelo ianelli vida e obra

Fonte: Casas (1953) |  | Acervo Itaú Cultural | Reprodução fotográfica autoria desconhecida

3. 1960

É em 1960 que Arcangelo Ianelli “abraça” a abstração informal, deixando a representação do real no passado. Também é aqui que o artista substitui seus tons rebaixados, por cores escuras.

Mesmo que algumas alterações, principalmente de forma, tenham iniciado na década de 1950, é nos anos 1960 que as obras de Arcangelo Ianelli ganham uma nova proposta de estilo, que abandona as pinceladas suaves, dando lugar a espessas manchas e cores de alta intensidade. 

As formas geométricas começam a se apresentar em seus quadros de maneira constante. 

Mais uma prova da flexibilidade do artista se apresenta ainda na última metade da década, quando sua obra se torna ao mesmo tempo, linear e pictórica, dando voz e destaque ao grafismo

Em 1964, Arcangelo Ianelli ganha o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna, o que faz o artista viver de 1965 a 1967 na Europa.

Nestes 2 anos, Ianelli adere às linhas e outros tipos de grafismos em sua pintura. 

As manchas, que chegaram ainda nessa década passam a ser suavizadas nos últimos anos de 1960 e as formas se tornam ainda mais presentes, com mais atenção ao contorno e regularidade.  

arcangelo ianelli biografia

Fonte: Casas (1960) | Acervo Itaú Cultural | Reprodução fotográfica autoria desconhecida

4. 1970

As formas geométricas, que começaram a aparecer em 1960, passam a dominar as obras abstratas do artista. Retângulos e quadrados, criam planos superpostos dentro das telas de Arcangelo Ianelli.

Suas telas são criadas de maneira que as formas regulares apresentassem certa relação de ritmo entre elas. 

Alguns especialistas destacam a semelhança dessa fase das obras de Arcangelo Ianelli com as criações de arte concreta

É na década de 1970, que Arcangelo Ianelli inicia sua série de obras intitulada Transparências e Superposições, na qual trabalha com retângulos sobrepostos e coloridos.

O que até então era uma representação plana, passa a ganhar uma terceira dimensão. Em 1974, o artista começa a experimentar a tridimensionalidade em suas pinturas. 

Uma coisa leva a outra e Ianelli inicia seu trabalho como escultor, com obras em mármore e madeira. Nesse momento, volta a tratar de questões presentes na obra pictórica.

arcangelo ianelli obras

Fonte: Superposições em Vermelho | Acervo Itaú Cultural | Reprodução fotográfica autoria desconhecida

5. 1980

Os contornos que eram marcantes começam a deixar escapar as manchas de cor para seu exterior. Mantêm-se as formas geométricas, mas altera-se a linearidade das cores.

Você verá, em algumas telas, que não há mais limites entre uma cor e outra. As manchas de tinta são sobrepostas aos retângulos e quadrados.

Em 1988 é lançada a produção fílmica “IANELLI: artista brasileiro”, sob direçăo de Olívio Tavares de Araújo, comprovando a abrangência que a obra de Ianelli alcançou durante todas essas décadas.

arcangelo ianelli

Fonte: Vibrações Terra-Azul (1983) | Acervo Itaú Cultural | Reprodução fotográfica Horst Merkel

6. 1990

O trabalho com escultura, que começou em 1970, tomou ainda mais força nos anos 90. Enquanto isso, sua pintura foi em direção à simplificação.

A década é marcada pelo reconhecimento da vida e obra de Arcangelo Ianelli, que recebe premiações como:

  • 1992: Prêmio Eco Art 92 (1992);
  • 1999: Prêmio Lumičre, em Roma, Itália. 

Ainda em 1996, Arcangelo Ianelli lançou o livro infantil “No mundo das nuvens” e, em 1998, inaugurou uma estátua no Parque da Aclimaçăo, em Săo Paulo. 

arcangelo ianelli obras

Fonte: Composição (1997) | Acervo Laart. Foto de Joca Meirells

arcangelo ianelli biografia

Fonte: Sem Título (1996) | Acervo Itaú Cultural | Reprodução fotográfica autoria desconhecida

7. 2000

Mais uma série de trabalhos aclamados do artista é desenvolvida entre 1999 e 2000. Em “Vibrações”, Ianelli diminui o volume de cores e manchas em suas telas e volta à suavidade da aplicação das pinceladas, perdida há décadas. 

Alguns especialistas apontam semelhanças com as obras de artistas norte-americanos, como Mark Rothko e Jules Olitski.

Em 2002, seus 80 anos são festejados com retrospectiva na Pinacoteca do Estado de São Paulo, um dos principais museus em SP.

As obras de Arcangelo Ianelli estão presentes em importantes museus de arte no Brasil e no mundo. Você também pode ter um exemplar em sua casa, ampliando sua coleção de arte, com um dos grandes nomes brasileiros da pintura e gravura. A Laart é uma galeria online com um acervo de obras de Arcangelo Ianelli, todas com certificado de autenticidade. Enviamos com segurança para sua casa.

Visite agora nossa galeria.

Compartilhar com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *